Plutocracia.com


A guerra mundial contra a democracia

No início dos 60, o governo trabalhista de Harold Wilson aceitou secretamente uma exigência de Washington de que o arquipélago de Chagos, uma colónia britânica, fosse "varrido" e "higienizado" dos seus 2500 habitantes para que uma base militar pudesse ser construída na ilha principal, Diego Garcia. Hoje, Diego Garcia é crucial para a guerra da América e da Inglaterra contra a democracia.

por John Pilger

Esquerda.net - 21 Janeiro, 2012

http://www.esquerda.net/artigo/guerra-mundial-contra-democracia

Lisette Talate morreu no outro dia. Lembro-me de uma mulher rija, tremendamente inteligente que mascarava a sua dor com uma determinação que marcava presença. Ela incorporava a resistência popular à guerra contra a democracia. Entrevi-a pela primeira vez nos anos 50 num filme do departamento colonial sobre os ilhéus Chagos, uma nação crioula muito pequena localizada no Oceano Índico a meio caminho entre a África e a Ásia.

A câmara garimpou através de aldeias prósperas, uma igreja, uma escola, um hospital, no meio de um fenómeno de beleza natural e paz. Lisette lembra-se do produtor lhe dizer a ela e às suas amigas adolescentes "continuem a sorrir meninas!"

Sentada na sua cozinha na Maurícia muitos anos depois, disse: "não era preciso dizerem-me para sorrir. Era uma criança feliz porque as minhas raízes estavam no fundo das ilhas, o meu paraíso. A minha bisavó tinha nascido lá; fiz seis filhos lá. Por isso é que eles não podiam atirar-nos legalmente para fora das nossas próprias casas; tiveram de aterrorizar-nos para nos fazer partir ou arrancar-nos à força. Primeiro tentaram por-nos à fome. Os barcos com comida deixaram de chegar [depois] eles espalharam rumores de que íamos ser bombardeados, depois começaram com os nossos cães".

No início dos 60, o governo trabalhista de Harold Wilson aceitou secretamente uma exigência de Washington de que o arquipélago de Chagos, uma colónia britânica, fosse "varrido" e "higienizado" dos seus 2500 habitantes para que uma base militar pudesse ser construída na ilha principal, Diego Garcia. "Eles sabiam que éramos inseparáveis dos nossos animais de estimação", disse Lisette, e "quando os soldados americanos chegaram para construir a base, encostaram a traseira dos seus grandes camiões contra o abrigo de tijolo onde preparávamos os cocos; centenas dos nossos cães tinham sido juntos e presos aí. Então gasearam-nos com os tubos de escape dos camiões. Nós conseguíamos ouvi-los a ladrar".

Lisette e a sua família e centenas de ilhéus foram empurrados para dentro de um vapor ferrugento com destino para a Maurícia, a uma distância de 2500 milhas. Foram obrigados a dormir no porão sobre um carregamento de fertilizante: caca de pássaro. O tempo estava mau; toda gente estava doente; duas mulheres abortaram. Despejados nas docas de Port Louis, os filhos mais novos de Lisette, Jollice e Regis, morreram com um espaço de uma semana, um em relação ao outro. "Morreram de tristeza", disse ela. "Tinham ouvido toda a conversa e tinham visto o horror do que tinha acontecido aos cães. Sabiam que estavam a deixar a sua casa para sempre. O doutor na Maurícia disse que não conseguia tratar a tristeza".

Este ato de rapto em massa foi executado em alto segredo. No arquivo oficial, sob o título "Mantendo a ficção," o conselheiro legal do Ministério dos Negócios Estrangeiros exorta os seus colegas a encobrir as suas ações "reclassificando" a população como "flutuante" e a "fazer as regras à medida que avançarmos." O artigo 7 dos estatutos do Tribunal Penal Internacional diz que "a deportação ou a transferência forçada de população" é um crime contra a humanidade. Que a Inglaterra tenha cometido tal crime - em troca de um desconto de 14 milhões de dólares num submarino nuclear americano Polaris - não constava da agenda de um grupo de correspondentes britânicos "da defesa" enviados de avião para Chagos pelo Ministério da Defesa quando a base dos Estados Unidos ficou concluída. "Não há nada nos nossos arquivos", disse um funcionário do ministério, "sobre habitantes ou sobre uma evacuação."

Hoje, Diego Garcia é crucial para a guerra da América e da Inglaterra contra a democracia. O bombardeamento mais forte do Iraque e do Afeganistão foi desencadeado a partir das suas pistas vastas, para além das quais o cemitério e a igreja abandonados dos ilhéus se erguem como ruínas arqueológicas. O jardim com terraço onde Lisette riu para a câmara é agora uma fortaleza que aloja as bombas "rebenta-bunkers" transportadas pelo avião B-2 em forma de morcego em direção a objetivos em dois continentes; um ataque ao Irão começará aqui. Como para rematar este emblema de poder desenfreado, criminoso, a CIA acrescentou uma prisão ao estilo de Guantanamo para a “entrega” das suas vítimas e chamou-lhe Camp Justice [Campo da Justiça].

O que foi feito ao paraíso de Lisette tem um significado urgente e universal, já que representa a natureza violenta, cruel de todo um sistema por trás duma fachada democrática e a escala da nossa própria doutrinação aos seus pressupostos messiânicos, descritos por Harold Pinter como "um ato de hipnose brilhante, engenhoso mesmo, altamente bem sucedido". Mais longa e mais sangrenta do que qualquer guerra desde 1945, empreendida com armas demoníacas, um ganguesterismo vestido de política económica e por vezes conhecido como globalização, a guerra contra a democracia é mantida sem menção em círculos de elite Ocidentais. Tal como Pinter escreveu, "nunca aconteceu mesmo enquanto estava a acontecer". Em julho passado, o historiador americano William Blum publicou o seu "sumário atualizado da história da política estrangeira dos Estados Unidos". Desde a Segunda Guerra Mundial, os EUA têm:

1. Tentado derrubar mais de 50 governos, a maior parte deles democraticamente eleitos.

2. Tentado suprimir movimentos populistas ou nacionais em 20 países.

3. Interferido grosseiramente em eleições democráticas em pelo menos 30 países.

4. Largado bombas sobre povos de mais de 30 países.

5. Tentado assassinar mais de 50 líderes estrangeiros.

No total os Estados Unidos levaram a cabo uma ou várias dessas ações em 69 países. Em quase todos os casos a Inglaterra foi colaboradora. O "inimigo" muda de nome - de comunismo para islamismo - mas ele é acima de tudo a ascensão da democracia independente do poder ocidental ou uma sociedade que ocupa território estrategicamente útil, considerado dispensável, como as Ilhas Chagos.

A simples escala do sofrimento, sem falar na criminalidade, é pouco conhecida no Ocidente, apesar da presença das comunicações mais avançadas do mundo, do jornalismo nominalmente mais livre e do mundo académico mais admirado. É inenarrável que as vítimas mais numerosas do terrorismo - o terrorismo ocidental - sejam muçulmanas, se isso for conhecido. Que quinhentas mil crianças iraquianas morressem nos anos 90 em consequência do embargo imposto pela Inglaterra e pela América não tem qualquer interesse. Que o jihadismo extremista, que levou ao 11 de setembro, foi alimentado como uma arma da política ocidental ("Operação Ciclone") é coisa conhecida de especialistas, mas de contrário suprimida.

Enquanto a cultura popular em Inglaterra e na América imerge a Segunda Guerra Mundial num banho ético para os vencedores, o holocausto resultante da dominação anglo-americana sobre regiões ricas em recursos é entregue ao esquecimento. Sob o regime do tirano indonésio Suharto, ungido como "o nosso homem" por Thatcher, mais de um milhão de pessoas foram mortas. Descrito pela CIA como "o pior assassinato em massa da segunda metade do séc. 20", a estimativa não inclui um terço da população de Timor-Leste que foi morta à fome ou assassinada com conivência ocidental por bombardeiros e metralhadoras britânicos.

Estas histórias verdadeiras são contadas em registos do Public Record Officei tornados públicos, contudo representam uma dimensão interna da política e do exercício do poder excluída da apreciação pública. Isto foi conseguido através de um regime não-coercivo de controle de informação, desde o mantra evangélico da publicidade para o consumidor até aos sound bites das notícias da BBC e, agora, das notícias de interesse passageiro dos meios de comunicação.

É como se os escritores enquanto jornalistas de denúncia estivessem extintos, ou servos de um zeitgeistii sociopata, convencidos de que são demasiado inteligentes para ser levados. Presenciem o estampido de bajuladores ansiosos por deificar Christopher Hitchens, um adorador da guerra que ansiava poder justificar os crimes dum poder ávido. "Quase pela primeira vez em dois séculos", escreveu Terry Eagleton, “que não há nenhum poeta britânico eminente, dramaturgo ou romancista preparado para interrogar os fundamentos do modo de vida ocidental". Nenhum Orwell avisa que não temos de viver numa sociedade totalitária para sermos corrompidos pelo totalitarismo. Nenhum Shelley fala em nome dos pobres; nenhum Blake profere uma visão; nenhum Wilde nos lembra que "a desobediência, aos olhos de alguém que leu a história, é a virtude original do homem". E, dolorosamente, nenhum Pinter se enfurece com a máquina de guerra, como em "Futebol Americano":

Hallelujah.
Praise the Lord for all good things ...
We blew their balls into shards of dust,
Into shards of fucking dust …

[Aleluia.
Louvem o Senhor por todas as coisas boas...
Rebentámos-lhes os tomates em estilhaços de pó,
Em estilhaços de pó dum raio...]

A estilhaços de pó dum raio vão foram parar todas as vidas atiradas por Barack Obama, o Hopey Changeyiii da violência ocidental. Sempre que um dos drones de Obama limpa uma família inteira numa região tribal distante do Paquistão, ou da Somália, ou do Iémene, os controladores americanos à frente dos seus ecrãs tipo jogo de computador escrevem "Bugsplat"iv. Obama gosta de drones e gracejou sobre eles com jornalistas. Uma das suas primeiras ações como presidente foi ordenar uma vaga de ataques de drones Predator no Paquistão o qual matou 74 pessoas. Desde então matou milhares, na maior parte civis; os drones disparam mísseis Hellfire que sugam o ar dos pulmões das crianças e deixam partes de corpos a engrinaldar a vegetação rasteira.

Lembram-se dos títulos de notícias manchados de lágrimas quando o 'Marca' Obama foi eleito: "importantíssimo, de fazer arrepiar a espinha": The Guardian, Reino Unido. "O futuro americano," escreveu Simon Schama, "é todo ele visão, sublime, informe, espírito leve..." O colunista do jornal San Francisco Chronicle viu um espiritual "ser com luz interior e apaziguador [que pode ser] portador de um novo modo de estar no planeta." Além do disparate, como o grande whistleblowerv Daniel Ellsberg tinha predito, um golpe militar decorria em Washington e Obama foi o seu homem. Tendo seduzido o movimento anti-guerra para um silêncio virtual, tem dado poderes de estado e de compromisso sem precedentes à classe de oficiais militares corruptos da América. O que inclui a perspetiva de guerras em África e oportunidades de provocações contra a China, o maior credor da América e o novo "inimigo" na Ásia. Sob Obama, a velha fonte da paranoia oficial, a Rússia, foi cercada com mísseis balísticos e a oposição russa infiltrada. Equipas de assassinato militares e da CIA foram enviadas em missão para 120 países; ataques há muito planeados na Síria e no Irão incitam a uma guerra mundial. Israel, o exemplar de violência e ilegalidade dos Estados Unidos por procuração, acaba de receber o seu dinheiro de bolso anual de 3 mil milhões de dólares em conjunto com a permissão de Obama para roubar mais terra palestina.

O feito mais "histórico" de Obama é trazer a guerra contra a democracia para dentro de casa na América. Na véspera do Ano Novo assinou a lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA), uma lei que concede ao Pentágono o direito legal de raptar tanto estrangeiros como cidadãos dos EUA e de os deter indefinidamente, interrogar e torturar, ou até matar. Só precisam de se “associar" com os "beligerantes" em relação aos Estados Unidos. Não haverá nenhuma proteção da lei, nenhum julgamento, nenhuma representação legal. Isto é a primeira legislação explícita a abolir o habeas corpus (o direito ao devido processo da lei) e efetivamente revogar a Lei dos Direitos de 1789.

No dia 5 de Janeiro, num discurso extraordinário no Pentágono, Obama disse que os militares estariam não só prontos para "proteger território e populações" além mar, como para lutar "na sua terra" e fornecer "apoio às autoridades civis". Por outras palavras, as tropas dos Estados Unidos serão redistribuídas pelas ruas de cidades americanas quando o desassossego civil inevitável as tomar.

A América é agora uma terra de pobreza epidémica e prisões selvagens: a consequência de um extremismo "de mercado" que, sob Obama, incitou a transferência de 14 milhões de milhões de dólares de dinheiro público a empresas criminosas em Wall Street. As vítimas são na maioria pessoas jovens desempregadas, sem abrigo, afro-americanos encarcerados, traídos pelo primeiro presidente negro.

Corolário histórico de um estado de guerra perpétuo, isto não é fascismo, ainda não, mas tão pouco é democracia sob qualquer forma reconhecível, apesar da política de placebo que consumirá as notícias até novembro. A campanha presidencial, diz The Washington Post, "apresentará um choque de filosofias enraizadas em visões distintamente diferentes da economia". Isto é evidentemente falso. A tarefa circunscrita do jornalismo dos dois lados do Atlântico é criar a pretensão duma escolha política onde não existe nenhuma.

A mesma sombra se estende pela Grã-Bretanha e muita da Europa, onde a democracia social, um artigo de fé duas gerações atrás, caiu em favor dos ditadores dos bancos centrais. Na "grande sociedade” de David Cameron, o roubo de 84 milhares de milhões de libras em empregos e serviços até excede o montante do imposto "legalmente" evitado por grandes grupos económicos piratas. A culpa não é da extrema direita, mas duma cultura política liberal covarde que permitiu que isto acontecesse, a qual, escreveu Hywel Williams no rasto dos ataques do 11 de setembro, "pode ser uma forma de fanatismo moralista”. Tony Blair é um desses fanáticos. Na sua indiferença gestionária para com as liberdades por que clama para ter grande carinho, a Inglaterra da Blairite burguesa criou um estado de vigilância com 3000 novas ofensas criminais e leis: mais do que para todo o século anterior. A polícia claramente acredita que tem impunidade para matar. Por exigência da CIA, casos como o de Binyam Mohamed, um residente britânico inocente torturado e depois mantido por cinco anos na baía de Guantanamo, serão tratados em tribunais secretos em Inglaterra "para proteger as agências de espionagem" - os torturadores.

Este estado invisível permitiu que o governo de Blair lutasse contra os ilhéus de Chagos à medida que se ergueram do seu desespero no exílio e exigiram justiça nas ruas de Port Louis e de Londres. "Só quando se vai para a ação direta, face a face, até quebrar leis, é que alguma vez nos faremos notar", disse Lisette. "E quanto mais pequeno se for, maior o seu exemplo para os outros." Uma resposta tão eloquente para aqueles que ainda perguntam "O que eu posso fazer?"

Vi pela última vez a figura muito pequena de Lisette de pé sob forte chuva ao lado dos seus camaradas fora do Parlamento. O que me impressionou foi a duradoura coragem da sua resistência. É esta recusa em desistir que o poder podre teme, acima de tudo, sabendo que ela é a semente debaixo da neve.

Artigo publicado em truthout, traduzido por Paula Sequeiros para esquerda.net

--------------------------------------------------------------------------------

Notas da tradutora:

i organismo oficial britânico que integra os Arquivos Nacionais

ii ar do tempo, espírito duma época

iii referência à alusão sarcástica de Palin que usou o termo «Hopey Changey» para gozar com a esperança (hope) na mudança (change) propagandeada por Obama; qualquer coisa como o Esperançolas da Mudança

iv “Bugsplat” é um termo insultuoso usado oficialmente pelas autoridades dos EUA quando seres humanos são mortos com sucesso com mísseis de drones; nome dum programa de computador do Departamento de Defesa para calcular os «danos colaterais».

v pessoa que faz denúncia pública de injustiças ou situações que lesem o interesse público

http://www.esquerda.net/artigo/guerra-mundial-contra-democracia

Home