Plutocracia.com


Viciados em guerra

Por Luiz Alberto Moniz Bandeira

Revista Espaço Acadêmico - 1 de Julho, 2007

http://www.espacoacademico.com.br/074/74bandeira.htm

Segundo o Instituto Internacional de Pesquisas sobre a Paz (SIPRI), com sede em Estocolmo, o gasto mundial com material bélico 2006, superando US$ 1,2 trilhão, cresceu em cerca de 3,5% em relação a 2005 e 37% com respeito a 1997. Este incremento foi impulsionado pelos Estados Unidos e a tendência é aumentar ainda mais, enquanto este país, “o país que no mundo mais destina dinheiro ao setor militar”, continuar em guerra. Com efeito, economia dos Estados Unidos está militarizada, o que solapa seus alicerces, internamente, porque os armamentos não são reprodutivos. E, ao dedicar larga participação do seu poder industrial às despesas de armamentos improdutivos, sua a base econômica nacional corre o risco de erosão, especialmente vis-à-vis dos Estados, que concentram maior participação de sua receita em investimentos produtivos a longo prazo. Mas sua produção de armamentos não pode parar. Os Estados Unidos são viciados em guerra, dependentes de guerra, e não são apenas “viciados em petróleo”, conforme expressão usada pelo presidente George W. Bush.

Assim, após o desmoronamento da URSS e o fim da guerra fria, o Pentágono, a CIA e demais serviços de inteligência buscaram e magnificaram novas ameaças - terrorismo e narcotráfico – para justificar a continuidade dos imensos recursos, destinados ao complexo industrial-militar. E Washington, a contrariar os entendimentos que puseram fim à guerra fria, tratou de expansão da OTAN, incorporando seis antigos membros do Pacto de Varsóvia (República Tcheca, Hungria, Polônia, Romênia, Bulgária e Eslováquia) e três repúblicas antes integrantes da extinta URSS (Lituânia, Letônia e Estônia). Entrementes, a National Endowment for Democracy, Freedom House e outras agencies americanas, após o bombardeio da Servia (1999) e a intervenção no Kosovo, passaram a alimentar a oposição na Ucrânia e na Geórgia, visando a derrubar os governos pró-Moscou e substituí-los por outros favoráveis a Washington.

Com a Geórgia e o Azerbaijão, repúblicas que integraram a URSS, os EUA então negociaram a construção de um oleoduto Baku-Tiblisi-Ceyhan, terminado em 2005, para transportar o petróleo através do Cáucaso até o Mar Negro e a Turquia, sem passar pelo território da Rússia. E os neo-conservadores atualmente procuram atrair a Ucrânia e a Georgia para a OTAN, o que tornará muito provável uma futura confrontação nuclear, em torno da soberania da Criméia ou da Ossétia do Sul, província separatista da Geórgia, que deseja ser anexada à Ossétia do Norte, integrada na Federação Russa. Este, possivelmente, constitui um dos fatores pelos quais o presidente George W. Bush pretende instalar na Polônia e na República Tcheca um sistema anti-balístico, a pretexto de impedir eventual ataque de “Estados fora da lei”, no caso, o Irã e a Coréia do Norte. Quem, no entanto, está fora da lei? Os EUA, que invadiram o Iraque infringindo o Direito Internacional, sem o respaldo da ONU, ou o Irã e a Coréia do Norte, que não estão a promover guerra contra qualquer outro país? Permitiria Washington que a Rússia e/ou a China instalassem bases e sistema anti-balístico na Venezuela, Nicarágua ou Cuba? Na verdade, nenhum país ameaça concretamente os EUA e seus aliados da OTAN. Nenhum país - nem o Irã nem a Coréia do Norte – ousaria lançar qualquer míssil nuclear contra os EUA, cuja capacidade de retaliação é infinitamente maior, devastadora, e poderia arrasá-los. Mas o objetivo do sistema anti-míssil, entre outros, é saciar os interesses do complexo industrial-militar, sustentáculo de economia americana, financiando-o com novas encomendas de material bélico, e preservar a hegemonia dos EUA em face da emergência da China e da recuperação econômica da Rússia. O general Colin Powell, como chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, já deixara este objetivo bem claro, em 1992, ao recomendar ao governo americano, em documento sobre estratégia militar, a preservação da “evidente capacidade de evitar qualquer adversário de competir militarmente” com os EUA, impedindo a União Européia de tornar-se potência militar, fora da OTAN, a re-militarização do Japão e da Rússia, e desencorajando qualquer desafio à sua preponderância ou tentativa de reverter a ordem econômica e política internacionalmente estabelecida, i. e., a ordem unipolar.

Acontece que a URSS não foi derrotada militarmente na guerra fria. Seu sistema econômico e social, um socialismo burocrático, foi que se tornou inviável, dentro de um mercado mundial capitalista. E implodiu. Mas a Federação Russa herdou todo seu potencial bélico, convencional e nuclear, e trata de modernizá-lo. O risco de um enfrentamento com os EUA torna-se assim real, pois, conforme constata o Instituto Internacional de Pesquisas sobre a Paz, a diferença com o que ocorrera durante a guerra fria consiste no fato de que, antes, o armamento nuclear era considerado um elemento dissuasivo, e atualmente os países começam a considerar que os petrechos nucleares podem ser efetivamente utilizados.

Luiz Alberto Moniz Bandeira - Cientista político, professor titular (aposentado) da Universidade de Brasília e autor de várias obras, entre as quais "Formação do Império Americano (Da guerra contra a Espanha à guerra no Iraque)", que lhe valeu ser eleito pela União Brasileira de Escritores, com o patrocínio da Folha, Intelectual do Ano 2005

http://www.espacoacademico.com.br/074/74bandeira.htm

Lista de artigos